sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

#12 - AGADE E NIMUR (Mário de Carvalho)

Havia em Agade uma porta imemorial e no frontão tinha escrito: «Porta em frente da qual se não colhe o trigo.»
Veio o rei e mandou cortar o trigo em frente da porta.
Em Agade havia um templo velho, repleto de oferendas. O rei profanou o santuário e tolheu ao templo as oferendas.
Corria em Agade uma rua estreita, por onde, há séculos, era vedado passar.
Transitou-a o rei com seu séquito, um dia, e outro, e outro, queimando perfumes.
Os deuses curam que os homens não rompam proibições, ainda que reis sejam. De modo que qualquer obscuro deus se viu movido a intervir.
Por isso, os povos da montanha, em suas peles de cabra, pegaram aljavas e arcos e seus arremessões e fundas, e vieram-se a Agade, em espessas coortes.
Na porta inscrita foi exibida a cabeça e membros rotos do rei. No templo se restauraram os ídolos de antanho. A antiga rua embargada se mostrou coalhada de muito sangue.
Das gentes de Agade só um escriba restou, e verteu no barro uma «Lamentação sobre a cidade de Agade».
Foi-se logo o escriba à cidade vizinha de Nimur, e sendo aí o rei falecido o fizeram rei, que era bom espelho de sageza.
Havia em Nimur um portão chapeado que, diziam, dava para a sétima esfera, e por onde nunca ninguém tinha entrado. O rei forçou o portão, no estrondo de um aríete, e mandou fabricar mil longas lanças, de duras, aguçadas pontas.
Havia em Nimur uma fonte de que era proibido beber. Veio o rei e bebeu por ela, ordenou que todos os da cidade bebessem com ele, e mandou que lhe fabricassem mil arcos e suas flechas e aljavas.
Atravessava Nimur uma ponte velha, fechada de correntes, por onde ninguém ousava passar. Passeou-se o rei por ela durante todo um dia, desfeitas as correntes, e mandou edificar, e mandou edificar logo duas altas muralhas e seis torres de cantaria talhada nas pedreiras longes do Oriente.

(continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário